A fisioterapeuta que caiu do terceiro andar de um hotel em Copacabana, na Zona Sul do Rio, no início do mês, se emocionou ao fazer um relato em seu perfil do Instagram sobre a troca de sua condição de profissional de saúde para, de repente, paciente.

“Hoje sinto na pele o que é ser paciente e ter paciência de que tudo tem seu tempo. Hoje, mais do que nunca entendo a minha profissão e valorizo cada vez mais. Voltarei para Cuiabá feliz e andando, confio em Deus”, postou Talyssa Oliveira Taques na terça-feira, dia 16.

Após um exaustivo trabalho em Cuiabá, onde mora com a família, a fisioterapeuta foi ao Rio para passar uns dias de folga, mas acabou despencando do hotel durante a noite ao ter confundido a janela do quarto com a porta do banheiro. De acordo com o portal de notícias “G1”, a mãe da hóspede relatou que ela passou por um episódio de sonambulismo por ter se sentido cansada demais diante do trabalho na linha de frente contra a Covid-19.

Cerca de uma semana após a queda, Talyssa mencionou uma música religiosa na rede social, num trecho que diz: “Eu quero ser curado e ajudar curar também / Eu quero ser melhor do que eu nunca fui / Fazer o que eu posso pra me ajudar Ser justo e paciente como era Jesus”. Em seguida, ela explicou a citação: “Nunca uma música fez tanto sentido em minha vida em um momento tão delicado, com os olhos cheio de lágrimas e esperança sei que amanhã começará uma nova etapa da minha vida”.

Na semana passada, a fisioterapeuta passou por uma cirurgia e manifestou confiança em plena recuperação.

“Confio em Deus e sei que ele não dá luta pra quem não consegue vencer e eu vou voltar pra casa, pra minha família mais forte, mais resiliente, uma pessoa melhor e principalmente uma profissional melhor”, frisou, agradecendo as orações dos amigos e parentes.

Devido aos altos custos do hospital particular onde está internada no Rio, a família de Talyssa criou uma vaquinha online para arrecadar fundos para a transferência dela para Cuiabá, que também é bem cara. No total, a campanha pretende receber R$ 89 mil, que financiarão uma aeronave com UTI. Até o momento, o valor doado soma cerca de R$ 16 mil.

“Pessoal eu e minha família criamos uma vakinha online para que possamos arrecadar um valor p remoção uti aérea ou até mesmo arcar com as despesas durante a internação. Assim como, os honorários dos médicos durante a cirurgia (sic)”, afirma a descrição da campanha.