Com bonés de beisebol com a imagem do presidente da Síria, Bashar al-Assad, eleitores erguem pôsteres mostrando o rosto de seu candidato e gritam slogans como “Deus, Síria, Assad – nós daríamos qualquer coisa por vocês”. A maioria veio votar na embaixada síria em Beirute num ônibus da Associação de Trabalhadores da Síria, que é leal a Assad. Os vídeos, que podem ser vistos na internet, mostram cenas impressionantes.

Também no Egito e nos Emirados Árabes Unidos, entre outros países, os sírios foram chamados a votar para as eleições presidenciais na Síria nesta 4ª feira (26.mai.2021). É a 2ª eleição presidencial desde o início da guerra, na qual centenas de milhares de pessoas foram mortas e milhões foram forçadas a deixar o país.

EVENTUAIS OPONENTES SEM CHANCE

Assad, que na eleição presidencial de 2014 recebeu 88,7% dos votos, vai continuar no cargo, para um 4º mandato de 7 anos, mesmo que, como na última eleição, ele tenha admitido formalmente outros candidatos: o ex-ministro de Estado para Assuntos Parlamentares, Abdullah Salloum Abdullah, e Mahmoud Ahmad Marei, chefe da Frente Nacional Democrática, um pequeno partido de oposição apoiado pelo Estado.

 “Assad zomba das estruturas democráticas ao fingir que 2 candidatos aprovados pelos serviços secretos são concorrentes reais. Eles não têm chance de vencer”, diz Mouna Ghanem, diretora do Fórum das Mulheres Sírias pela Paz.

Todo o processo eleitoral –da seleção dos candidatos à contagem dos votos– é controlado pelo regime. Com a votação, o regime tenta criar a imagem de de que tem legitimidade entre a população.

“Acima de tudo, no entanto, as eleições mostram que Assad continuará no cargo, apesar de toda a resistência contra ele nos últimos 10 anos”, diz Guido Steinberg, especialista em Oriente Médio da fundação SWP, baseada em Berlim. Assad controla atualmente cerca de 2/3 do território sírio –apenas a região de Idlib, o nordeste dominado pelos curdos e os protetorados turcos não estão sob seu regime.

DEPENDÊNCIA DA RÚSSIA E DO IRÃ

Ele conseguiu isso com a ajuda da Rússia e do Irã. Quando, em 2015, a derrota de Assad parecia iminente, o Irã enviou brigadas e milícias xiitas, e o governo de Moscou interveio com a Força Aérea, forças especiais e a polícia militar. Este apoio garantiu a vitória a Assad, ainda que a guerra não tivesse acabado.

“Como o conflito já foi decidido de forma militar, simplesmente não haverá solução política. Não há incentivo para negociar politicamente sobre algo”, explicou a especialista em Síria Kristin Helberg em um evento organizado pela associação alemã Querkultur.

E agora Assad precisa recompensar “quem o mantém no poder”, afirma Helberg. “Eles veem a Síria como uma espécie de butim que agora deve ser dividido”, complementa. A Rússia já garantiu contratos de recursos naturais como petróleo e gás, e acima de tudo fósforo.

Além disso, de acordo com Guido Steinberg, já se pode ver claramente um conflito entre o Irã e a Rússia sobre a influência no exército sírio, serviços secretos e milícias sírias. “Ou seja, a Síria já não é mais tão soberana.” Além do Irã e da Rússia, segundo ela, Assad também tem o apoio de empresários ricos, que se beneficiam de investimentos ou negócios no mercado ilegal.

“HIPOTECA” PESADA PARA MOSCOU

A Rússia investiu pesadamente na Síria, tanto política quanto militarmente. “O país é uma grande hipoteca para o presidente russo, Vladimir Putin”, comenta Helberg, que prossegue: uma coisa é certa, a Rússia não pode estabilizar o país sozinha.

Muitos consideram a situação de segurança volátil. O chamado “Estado Islâmico” nunca deixou o país –milhares de terroristas ainda estariam na clandestinidade na área da fronteira entre a Síria e o Iraque. A presença militar do Irã também é vista como uma grande ameaça– particularmente por parte de Israel.

Grande parte da infraestrutura do país está destruída. Nas áreas controladas pelo regime, cresce a miséria. As pessoas ficam horas na fila por pão. Longas filas se formam junto aos postos de gasolina porque o combustível se tornou um produto escasso. “A Rússia quer que o Ocidente chegue a um acordo com Assad –também para financiar a reconstrução, porque a Rússia não tem dinheiro para isso”, explica Helberg.

APROXIMAÇÃO DE ESTADOS ÁRABES

A terrível situação humanitária dá força ao objetivo da Rússia. O Comitê Constitucional de Genebra, que foi criado em 2019, também tem como objetivo encorajar o Ocidente a “se unir para manter as aparências”, diz Helberg. Putin também oferece à Europa o envio de refugiados sírios de volta à Síria. Mas Assad não quer isso.

Não foi sem razão que Assad expropriou por decreto muitos deslocados internos e sírios que fugiram para o exterior. Cidadãos e combatentes leais ao regime ganharam suas propriedades. E também não é sem razão que os críticos do regime continuam desaparecendo.

Putin precisa de aliados para a Síria. E há indícios de que alguns países, principalmente da região, já têm interesse em normalizar a diplomacia com a Síria. O Egito está se esforçando para a Síria entrar para a Liga Árabe e, em 2018, os Emirados Árabes Unidos reabriram sua embaixada, mesmo que em um nível diplomático inferior.

É questionável se e quando a Arábia Saudita fará o mesmo. Esses Estados estão preocupados principalmente em aproximar a Síria do mundo árabe – longe da influência iraniana e turca, diz Julien Barnes-Dacey, diretor de programas para Oriente Médio e Norte da África no Centro Europeu de Relações Exteriores. No entanto, isso não significa que as realidades do país necessariamente mudarão. O retorno de Assad ao grande palco político –em Washington ou Paris, por exemplo– atualmente parece estar descartado.

RECONSTRUÇÃO INCERTA

A economia da Síria está arrasada, e a isso se somam as sanções dos Estados Unidos e da União Europeia. Por outro lado, tanto a Europa quanto os EUA financiam grande parte da ajuda humanitária à Síria.

“Suborganizações da ONU trabalham na Síria com organizações e pessoas que estão nas listas de sanções da Europa e dos EUA”, diz Helberg. Criou-se uma dependência, e Assad nem foi necessário para isso, acrescenta.

Muitas organizações de ajuda na Europa gostariam de apoiar o povo da Síria. A especialista alerta, porém, contra o manejo dessa ajuda por meio de organizações e pessoas próximas ao regime, pois isso significaria cooperação com o governo sírio.

“Isso consolida as estruturas que levaram a esse levante. Se a Europa quiser que mais sírios retornem, isso não acontecerá enquanto Assad governar dessa maneira. Simplesmente não é seguro para eles”, complementa.

Em vez disso, opina, sanções específicas devem ser mantidas e discutidas com a sociedade civil. “E a reconstrução não deve ser simplesmente apoiada incondicionalmente”, acredita Helberg.