10As duas vagas para ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que estão abertas desde o início do ano ainda não serão preenchidas imediatamente. Na segunda-feira, por 28 votos a dois, os magistrados da Corte decidiram esperar o retorno dos encontros presenciais para realizar a votação que formará a lista tríplice que será entregue ao presidente Jair Bolsonaro.

O prazo esticado faz com que Bolsonaro leve mais tempo para poder nomear os seus escolhidos para o STJ, os primeiros desde que assumiu a presidência, e amplia a chance de novos candidatos entrarem na disputa pelas vagas destinadas a desembargadores federais que se abriram com a aposentadoria do ministro Napoleão Nunes Maia, em dezembro de 2020, e Nefi Cordeiro, que surpreendeu a todos ao anunciar sua saída do tribunal em março deste ano.

Apenas os ministros Rogério Schietti e Mauro Campbell Marques se posicionaram a favor da votação virtual, sob o argumento de que todas as decisões tomadas ao longo da pandemia ocorreram de forma online. Na avaliação de ministros da Corte ouvidos pelo GLOBO, prevaleceu a avaliação de que a escolha presencial é necessária por permitir maior debate entre os magistrados e dar mais tempo para que os candidatos se apresentem e façam suas campanhas.

Hoje, lideram a disputa pelas vagas os desembargadores do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) Ney Bello e Daniele Maranhão, que contam com apoio de integrantes do próprio STJ e de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Além deles, são candidatos o desembargador Cid Marcondes, do Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF-5) e Paulo Sérgio Domingues, desembargador do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3).

Também nesta segunda os ministros decidiram, por unanimidade, que o trabalho remoto permanece até o final do mês de outubro — quando se reunirão novamente para definir quando esse encontro presencial poderá ocorrer. Interlocutores da Corte entendem que outubro será o limite para que haja a votação, já que o tempo de desfalque prolongado pode ser prejudicial aos trabalhos do tribunal.

Embora tenham optado pela votação presencial para a lista tríplice, os ministros decidiram que a votação para os cargos do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) definidos pelo STJ será em ambiente virtual.