A deputada federal  Tabata Amaral (SP) vai entrar nesta terça-feira (15/10/2019) com uma ação contra o PDT, junto à Justiça Eleitoral, reclamando a “propriedade” de seu mandato. Ela alega perseguição política. Com a parlamentar, estarão os também pedetistas Flávio Nogueira, Marlon Santos e Gil Cutrim, além de integrantes do PSB: Rodrigo Coelho, Jefferson Campos e Felipe Rigoni. A deputada adiantou, na noite da segunda-feira (14/10/2019), em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura, que fará uma coletiva nesta terça para explicar as razões da medida e sua  consequente saída da legenda. “Não há mais espaço para mim no PDT. Não há diálogo nenhum”, disse.

“O PDT, quando decidiu me suspender sem nenhum julgamento, disse que teria um prazo de dois meses para me julgar. Já faz três meses. Passado esse tempo, estou suspensa e sem poder atuar de uma forma 100% efetiva na Câmara”, explicou, reforçando que já escreveu uma carta para o presidente nacional da legenda, Carlos Lupi, solicitando ser julgada.

Segundo a deputada, para poder participar da Comissão de Educação da Câmara, o PTB cedeu a ela uma vaga. Tabata Amaral foi suspensa pela direção nacional pedetista por ter votado a favor da reforma da Previdência na Casa.

Tabata Amaral diz que vai processar Weintraub por danos morais

Segundo ela, não nada que, se depender do PDT, consiga fazer se não pedir o apoio de outras legendas. “O PDT deixou de ser o meu partido. Não atuo mais como vice-líder, os projetos que eu tinha em São Paulo foram cancelados. Eu tinha um projeto incrível de levar mais mulheres para a política. Também tinha um projeto de compliance para o PDT, que seria o primeiro partido a ter um código de ética. Eu estava construindo esse partido”, ressaltou.

Centro-esquerda

Tabata afirmou que ainda não sabe que rumo tomará após deixar o PDT. Ela garantiu que ainda não conversou com outra legenda. “Eu estava no PDT e tinha esperança de resolver essa situação”, disse. “O que eu vou buscar a partir de hoje, se ganhar a ação, é um partido não que seja perfeito, porque isso está distante de existir. Mas que dê espaço para essa visão de centro-esquerda, que não é só minha”, falou.

Segundo ela, os critérios para escolher uma nova casa serão: o partido lhe dar espaço para defender sua visão de mundo – “e que entenda que ela é muito relevante” – e dar condições para construir o que estava construindo no PDT.

“Eu não quero ser uma pessoa independente dentro do partido e que acha que partidos não são importantes, porque são importantes”, observou. “Mas eu quero um partido que tope: ‘a gente não tá bom hoje, então vamos melhorar. A gente vai ter compliance, código de ética e prévias para decidir quem será candidato”, reforçou.

Bom senso e pé no chão

Tabata acredita que não estará sozinha nessa travessia para outra legenda. Segundo ela, outros parlamentares já afirmaram que a acompanharão. “Se entenderem que há espaço para o bom senso e para ser pé no chão. Tem que ser um partido mais ético, mais democrático e mais transparente”, destacou.