O Tocantins é um dos estados que deve participa dos atos à favor da educação pública nesta terça-feira, 13. As manifestações foram convocadas no Estado pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Estado do Tocantins (Sintet).

Em Palmas, os estudantes do Tocantins realizarão  uma assembleia geral, às 09h, no auditório central do IFTO. A pauta estudantil diz não ao programa Future-se, do governo federal. Já a tarde acontece um ato político e debate público, com concentração às 17 horas, no Parque dos Povos Indígenas.

A mobilização convocada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), em conjunto com entidades sindicais e movimentos sociais realizará atos nas 27 capitais, no Distrito Federal, além de cidades do interior por todo o país.

A Paralisação Nacional protesta ainda contra os recentes cortes no orçamento do Ministério da Educação promovidos pelo governo Jair Bolsonaro. Universidades e Institutos federais estão entre os mais afetados, mas a educação básica também está ameaçada. Um novo bloqueio no orçamento do MEC no valor de R$ 348 milhões foi divulgado na última quarta-feira 07.

“Os constantes ataques contra a educação pública colocam em evidência a privatização da educação, comprometendo nosso emprego e consequentemente nossos salários. Precisamos sair da zona de conforto e ir às ruas protestar contra o desmonte da educação pública, contra o fim da aposentadoria e contra toda retirada de direitos da classe trabalhadora”, disse o presidente do Sintet, José Roque Santiago.

No Tocantins, além da capital, outros munícipios devem realizar mobilizações nos locais de trabalho.