O Tocantins registra redução de 34% na soma de áreas desmatadas em 2020 e ocupa a segunda posição no ranking, entre os sete estados e o Distrito Federal. Os dados do Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins) divulgados na segunda-feira, 21, estão registrados no Relatório Anual de Desmatamento no Brasil (2020) da plataforma Mapbiomas Alerta.

De acordo com o relatório, no DF foi observada a maior queda (-83%), seguido de Tocantins (-34%), Goiás (-30%), Mato Grosso (-12%), Roraima (- 9%) e Rondônia (-6%); além de Minas Gerais e Acre que ficaram próximos da estabilidade, com quedas de 4% e 2% na área desmatada.

Em 2020, o Tocantins registra redução de -35.223 ha de área desmatada, que equivale a -34%, com a soma de 68.833 ha, comparada ao registro de 2019, quando somou 104.056 ha.

“O Estado investe na modernização dos procedimentos, gerenciamento, atendimento, controle e proteção ambiental do Tocantins, com implementação de inovações, uso de tecnologias e parceria interinstitucionais nas ações integradas, que favorecem e incentivam a legalização das atividades necessárias ao desenvolvimento sustentável e econômico do Tocantins. Com essa redução do desmatamento consideramos que estamos no caminho certo”, avalia Renato Jayme, presidente do Naturatins.

“Essa redução do desmatamento reflete o resultado dos esforços na intensificação das ações integradas de fiscalização ambiental do Naturatins com os órgãos parceiros no Estado, além da conscientização realizada através da educação ambiental compartilhada pelas equipes”, afirma Eliandro Gualberto, diretor de Proteção e Qualidade Ambiental do Instituto.

“Parte desse resultado se deve ao acesso à informação, ao conhecimento dos procedimentos legais, para obtenção da licença e conversão do uso do solo de forma correta, conforme previsto na legislação ambiental; além da desburocratização na emissão da licença, que a partir da adoção dos processos digitais, protocolo online e atendimento remoto de dúvidas, ganhou celeridade em benefício do empreendedor rural, permitindo a implementação de sua produção, mediante o cumprimento dos requisitos necessários”, pontua Felipe Mansur Pimpão, diretor de Gestão e Regularização Ambiental do Naturatins.

Renato Pires da Silva, gerente de Monitoramento e Gestão de Informações Ambientais, conta que o Instituto é parceiro do Projeto Mapbiomas. “A plataforma fornece dados que nos auxilia na identificação de áreas com supressão de vegetação, utilizamos essas informações para validação por amostragem dos alertas de desmatamento em campo e compartilhamos os resultados com o projeto”, esclarece.

“A ferramenta Mapbiomas apresenta notificações e laudos completos, que proporcionam agilidade no combate ao desmatamento. E durante a consulta, os técnicos realizam a conferência das informações, verificando se há alguma autorização vigente emitida pelo Estado e encaminha o caso, quando necessário, para as equipes de fiscalização tomarem as providências cabíveis”, conclui Renato Pires.