Três adolescentes conseguiram fugir no último sábado durante uma rebelião no Centro de Socioeducação Dom Bosco, na Ilha do Governador, Zona Norte do Rio. Buscas chegaram a ser feitas no entorno da unidade por agentes do Departamento Geral de Ações Socioeducativas e policiais militares, após o fim do motim, mas eles não foram localizados. A suspeita é de que o trio tenha conseguido fugir pelos fundos do Centro de Socioeducação, onde havia parte da cerca arrebentada.

Durante a rebelião, alguns adolescentes chegaram a tentar fugir pulando muros, mas acabaram contidos pelos agentes. O motim começou no início da tarde, no horário de almoço dos jovens. Segundo informações do Sindicato de Servidores do Departamento Geral de Ações Socioeducativas (SindDegase), os jovens conseguiram tomar galerias da unidade e queimaram colchões, quebraram grades e arrancaram portas do prédio.

Policiais militares do 17º BPM (Ilha do Governador), Batalhão de Policiamento em Vias Expressas (BPVE) e Batalhão de Policia de Choque foram para o local dar apoio ao Grupamento de Ações Rápidas (GAR) do Degase. Eles entraram na unidade por volta das 14h para controlar os menores. A PM precisou utilizar bombas de gás lacrimogênio e por volta das 15h, a rebelião foi controlada.

A assessoria de imprensa do Degase informou que 60 adolescentes vão responder pelo crime de dano ao patrimônio após a destruição de colhões, portões e dependências do Centro de Socioeducação Dom Bosco. Ainda segundo a assessoria, foi feito um registro de ocorrência na 21ª DP (Bonsucesso) no qual constam como vítimas um servidor com ferimentos leves na orelha e três adolescntes.

O Degase está apurando o que causou a rebelião. Por causa da pandemia causada pelo novo coronavírus, as visitas nas unidades de internação apra menores estão suspensas.