Tropas do Comando Militar do Planalto completaram esta semana 30 dias na linha de frente da Operação Verde Brasil 2 no estado do Tocantins.

As ações de combate  a queimadas e o desmatamento ilegal são executadas pelo 22º Batalhão de Infantaria em apoio do Comando Militar do Norte e cooperação com agentes de órgãos ambientais.

Os trabalhos foram acompanhados, nos últimos dois dias (7 e 8/10), pelo Comandante Militar do Planalto, General de Divisão Rui Yutaka Matsuda, e comandante da 3ª Brigada de Infantaria Motorizada, General de Brigada Marcus Fernandes de Araújo.

A Serra do Lajeado e a região do Taquaruçu, no entorno de Palmas, são algumas das áreas de atuação. E as chamas são apenas um dos obstáculos para os militares, que ainda enfrentam temperaturas médias acima dos quarenta graus e precisam  percorrer grandes distâncias para chegar aos locais com queimadas.

Ilha do Bananal

Somente a Ilha do Bananal, que também é monitorada, possui cerca de 20 mil quilômetros quadrados – a maior área insular fluvial do mundo.

Classificada pela Unesco como reserva da biosfera, parte dela é parque nacional, a outra parque indígena. A fauna e a flora lembram o pantanal mato-grossense, com inundação de grande porção do seu território na maior parte do ano. Mas, agora, também sofre com o longo período de estiagem.

Apoio logístico

Além do emprego de viaturas e equipamentos, o rastreamento das áreas  incendiadas é feito com apoio de um helicóptero Pantera. Já foram 28 horas de voo para mapear e chegar aos focos de incêndio e em torno de 14 mil quilômetros rodados por vias terrestres.

O efetivo das Forças Armadas envolvido ainda executa ações preventivas e repressivas contra crimes ambientais, realizando inspeções terrestres, navais,vistorias e revistas em embarcações. A operação abrange terras indígenas, unidades federais de conservação ambiental e outras áreas da Amazônia Legal.