O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ironizou uma ameaça feita pela Coreia do Norte em lhe dar um “presente de Natal”, caso os norte-americanos não retirem as sanções contra o regime de Kim Jong-un até o fim do ano.

“Talvez seja um presente em que ele vá me enviar um belo vaso, e não um teste com mísseis. Pode ser que eu ganhe um presente legal, não sei, não dá nunca para saber”, brincou.

O regime de Kim nunca detalhou que tipo de atitude tomará se os EUA, de fato, não retirarem as sanções impostas contra a Coreia do Norte até o fim do ano. Segundo a Associated Press, especula-se que os tais “presentes” seriam o desenvolvimento de novos mísseis balísticos intercontinentais capazes de levar uma bomba nuclear.

No domingo (22), Kim se reuniu com a equipe do regime norte-coreano para discutir o aumento da capacidade militar no país — o que acendeu o alerta nos Estados Unidos e em aliados norte-americanos.

Negociações estagnadas

Após um encontro histórico em Singapura em 2018, as conversas entre EUA e Coreia do Norte congelaram neste ano — principalmente com o término abrupto da segunda reunião entre Trump e Kim, em fevereiro, no Vietnã. Relembre no VÍDEO acima.

Os dois chefes de Estado ainda se encontraram na fronteira entre as duas Coreias em junho, mas as negociações para uma desnuclearização da Península Coreana pioraram porque, semanas depois, a ditadura de Kim retomou testes com mísseis ou instalações militares que irritaram os EUA.

ONU pede saída para a crise

Na sede da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, o porta-voz Stephane Dujarric pediu nesta terça-feira uma solução diplomática para a crise.

“Nossa mensagem para a liderança da República Popular Democrática da Coreia [nome oficial da Coreia do Norte] é que trabalhem pela paz e estabilidade na Península Coreana e que retomem as conversas com os Estados Unidos”, afirmou.

“Comprometimento diplomático é o único caminho para uma paz sustentável e uma desnuclearização completa e verificável da Península Coreana”, acrescentou.