A alta no preço da gasolina, que se aproxima dos R$ 7 por litro em Palmas, puxou as vendas de motocicletas. É que com o combustível pesando cada dia mais no orçamento, tem que esteja preferindo se equilibrar em apenas duas na tentativa de não deixar que as contas saiam do ponto de equilíbrio. As concessionárias de Palmas relatam um aumento de 20% na procura.

Em algumas delas, tem até fila de espera pra levar o veículo pra casa. O Ari Sousa, que é vendedor, conta que conseguiu dobrar as vendas. A média semanal de motos vendidas foi de três para seis na loja onde ele trabalha e antes do dia 15 do mês passado, a meta de agosto já estava batida.

Em palmas, segundo o Procon, o preço do litro da gasolina acumulou alta de 26,58% ao longo do último ano. Inclusive esse é um dos argumentos que os vendedores têm usado para convencer quem considera trocar o volante pelo guidom. A conta é até simples.

O gerente de uma das lojas, Donival Luiz Vinha, explica que os carros fazem em média 10 quilômetros com um litro de gasolina, enquanto as motos chegam a fazer 30. A manutenção delas também é mais em conta.

Em uma das concessionária, das nove motos expostas no salão, sete já tinham sido vendidas. Filas de espera pra levar um dos veículos pra casa já são comuns, não só pela alta procura, mas também pelas dificuldades pra manter a média de produção diante da pandemia.

Números da Federação Nacional de Distribuição de Veículos (Fenabrave) apontam que enquanto neste ano foram vendidos pouco mais de cinco mil carros aqui no estado, a quantidade de motos passa de 6,6 mil. Só em julho foram mais de 1,2 mil, enquanto o volume de carros comercializados não chegou a 900.

De acordo com o IBGE, em 2020 o Tocantins tinha quase 247 mil (exatas 246.886) motocicletas circulando. Atualmente, o preço médio dos modelos de entrada de uma moto nova é de pouco mais de R$ 14 mil.