A relação entre Sebastian Vettel e seu compenheiro de equipe, Charles Leclerc, não anda das melhores, e a suspeita do piloto alemão de uma predileção da Ferrari pelo jovem piloto monegasco pode marcar o fim da passagem do tetracampeão mundial pela escuderia italiana.

De acordo com o site “Motorage.it”, Vettel se reuniu com o diretor esportivo da Ferrari, Mattia Binotto, e foi firmado um “pacto de não agressão” entre os pilotos na próxima corrida. Também na reunião, Vettel teria deixado claro que não aceitará “em nenhuma hipótese o papel de segundo piloto”. Como consequência, o piloto alemão, que tem contrato com a Ferrari até o fim de 2021, poderia deixar a equipe no fim desta temporada.

Para o lugar de Vettel, o favorito é o australiano Daniel Ricciardo, ex- RBR e atualmente na Renault. O tetracampeão mundial, por outro lado, poderia voltar à própria RBR, onde viveu o auge da carreira e conquistou todos os seus títulos na Fórmula 1.

O mais recente episódio da polêmica envolvendo Vettel e Leclerc foi no GP da Rússia, no último domingo. O monegasco de 21 anos, que largou na pole, segurou o inglês Lewis Hamilton e não se protegeu do ataque de Vettel, que largara em terceiro e assumiu a ponta logo na largada. A troca de posições fazia parte da estratégia da Ferrari, que queria seus dois carros ocupando primeira e segunda posições.

Na sequência, porém, Vettel continuou acelerando e impediu a aproximação de Leclerc, que reclamou com a equipe pelo rádio. A troca de posições acabou efetuada nos boxes, com Leclerc sendo chamado antes pela Ferrari e Vettel permanecendo mais tempo na pista com os pneus desgatados.

Uma volta após sua parada, o alemão abandonou a corrida devido a um problema no motor, e a entrada do safety car virtual na pista fez a Mercedes conquistar uma dobradinha com Hamilton na ponta e Bottas em segundo. Leclerc, que fez uma segunda parada para tentar atacar as Mercedes com pneus macios, acabou apenas na terceira posição.