Depois do episódio envolvendo o vice – Temer (PMDB) e Dilma (PT) presidente da República, que terminou no afastamento de Dilma e Temer assumindo o comando da República, o vice deixou de ser, como é comumente dito, uma peça decorativa ou um mordomo, como muitos taxam esse político que na maioria das vezes é ofuscado pelo titular do cargo.

A vice-governadora Claudia Lelis (PV) não seria uma “peça decorativa”, mas tão pouco é um ser político que esteja em uma dimensão na qual os holofotes cheguem a contemplar sua capacidade administrativa, já que em raríssimas ocasiões a mesma assumiu o governo estadual. Ficamos um tanto decepcionados para saber do potencial da vice, já que nesses quase quatro anos pouco ou quase nada saiu da vice – governadoria, já que a supremacia do governador Marcelo Miranda (MDB) é clara.

Nos bastidores e comentários das ruas, dá-se quase certo que o governador Marcelo Miranda irá preterir Claudia Lelis, buscando um novo nome para ser o vice em sua chapa ao governo.

Ficando no ar quem seria o escolhido (a) e qual seria o destino de Claudia Lelis. Alguns dizem que a vice estaria de olho em uma vaga na Assembleia, outros que o caminho seria tentar uma cadeira na Câmara dos Deputados.

Na primeira hipótese, seria um retrocesso para a carreira política de Claudia, que tem o PV para negociar com bastante relevância candidaturas junto ao grupo do pré-candidato à reeleição. Em uma tentativa de chegar à Câmara dos Deputados ela teria que disputar votos com a primeira – dama e  indo para uma reeleição e teria que confrontar-se com Josi Nunes, o que certamente não seria muito vantajoso para a vice-governadora.

Mesmo parecendo fácil, em princípio, a eleição a uma das 24 vagas na Assembleia, na prática é outra coisa. Além dos deputados que irão tentar permanecer a uma série de nomes que estão se destacando e vem com muita força para a disputa.

Talvez a vice-governadora não tenha sido uma peça decorativa no governo Marcelo Miranda, mas fez muito pouco para ter um destaque que conduzisse sem muito atrapalho ao posto de vice ou quem sabe até mesmo ser a candidata ao governo, no entanto faltou um pouco de luz própria a vice, que depois de Temer nunca mais será um cargo que será visto com pouco caso.