A Secretaria de Cidadania e Justiça, que administra o sistema prisional do Tocantins, comunicou que suspendeu as videochamadas dos presos da Casa de Prisão Provisória de Palmas (renomeada recentemente como Unidade Penal de Palmas). O motivo é que as linhas telefônicas no entorno do presídio foram alvo de vandalismo.

Uma investigação foi aberta para apurar o caso e descobrir os motivos e a autoria do ataque contra as linhas. As visitas presenciais estão suspensas em todos os presídios do estado por causa da pandemia de Covid-19 e por isso as videochamadas e telefonemas são as únicas formas de contato entre os detentos e os familiares e advogados.

A previsão da Seciju é que o serviço seja retomado apenas na próxima segunda-feira (12). A pasta disse que as demais atividades administrativas no presídio seguem normalmente. A equipe de suporte técnico, segundo nota, iniciou os reparos ainda na manhã desta quinta.

Os servidores teriam percebido o problema ao ter dificuldade de conexão entre os ramais institucionais da unidade. O diretor da CPP, Thiago Sabino, determinou que as equipes de segurança realizassem uma força tarefa. Os cabos rompidos foram localizados em uma das estradas vicinais no entorno do prédio.

Violência na unidade

Recentemente, um conflito entre presos dentro do mesmo presídio acabou com a morte de dois detentos e um terceiro ferido. As vítimas fatais foram identificadas como Warlley Araújo e Marcos Martins Góes. O ferido era Douglas Souza Costa, que recebeu socorro médico. A confusão foi durante um banho de sol. O caso segue sob investigação.

Após o confronto, houve transferências de presos entre unidades prisionais do estado. A Seciju disse que não poderia confirmar se as duas situações estavam relacionadas, mas fontes no sistema prisional disseram ao G1 que presos considerados de alta periculosidade foram levados para o presídio Barra da Grota, que fica em Araguaína.

Imagens da transferência, feita sob forte esquema de segurança, circularam nas redes sociais e acabaram alarmando moradores do norte do estado. Desde que o procedimento foi feito não foram registrados novos casos de presos mortos ou feridos dentro dos estabelecimentos prisionais.

Por G1 Tocantins.